domingo, maio 31, 2009

Soma e segue, General Motors fecha as portas

Eis os sinais dos tempos, já nada é como dantes, a maior construtora de automóveis do mundo prepara-se para encerrar amanhã as portas, atirando milhares de pessoas para o desemprego certo.

101 anos de História jogados sanita abaixo.

Mais 21.000 novos desempregados directos, fora as empresas subsidiárias e os postos de trabalho indirectos.

A GM não aguentou a concorrência da Toyota.

O que aconteceu aos lucros fabulosos do passado?

Para onde foi o dinheiro?


Cano de esgoto abaixo?

Já nada parece parar esta crise!

Teme-se o anunciado efeito dominó em todo o mundo.

Será que isto não pára?

Ou será um crescendo até ao Fim?

«Goodbye, GM,by Michael Moore

June 1, 2009

I write this on the morning of the end of the once-mighty General Motors. By high noon, the President of the United States will have made it official: General Motors, as we know it, has been totaled.

As I sit here in GM's birthplace, Flint, Michigan, I am surrounded by friends and family who are filled with anxiety about what will happen to them and to the town. Forty percent of the homes and businesses in the city have been abandoned. Imagine what it would be like if you lived in a city where almost every other house is empty. What would be your state of mind?

It is with sad irony that the company which invented "planned obsolescence" -- the decision to build cars that would fall apart after a few years so that the customer would then have to buy a new one -- has now made itself obsolete. It refused to build automobiles that the public wanted, cars that got great gas mileage, were as safe as they could be, and were exceedingly comfortable to drive. Oh -- and that wouldn't start falling apart after two years. GM stubbornly fought environmental and safety regulations. Its executives arrogantly ignored the "inferior" Japanese and German cars, cars which would become the gold standard for automobile buyers. And it was hell-bent on punishing its unionized workforce, lopping off thousands of workers for no good reason other than to "improve" the short-term bottom line of the corporation. Beginning in the 1980s, when GM was posting record profits, it moved countless jobs to Mexico and elsewhere, thus destroying the lives of tens of thousands of hard-working Americans. The glaring stupidity of this policy was that, when they eliminated the income of so many middle class families, who did they think was going to be able to afford to buy their cars? History will record this blunder in the same way it now writes about the French building the Maginot Line or how the Romans cluelessly poisoned their own water system with lethal lead in its pipes.

So here we are at the deathbed of General Motors. The company's body not yet cold, and I find myself filled with -- dare I say it -- joy. It is not the joy of revenge against a corporation that ruined my hometown and brought misery, divorce, alcoholism, homelessness, physical and mental debilitation, and drug addiction to the people I grew up with. Nor do I, obviously, claim any joy in knowing that 21,000 more GM workers will be told that they, too, are without a job.

But you and I and the rest of America now own a car company! I know, I know -- who on earth wants to run a car company? Who among us wants $50 billion of our tax dollars thrown down the rat hole of still trying to save GM? Let's be clear about this: The only way to save GM is to kill GM. Saving our precious industrial infrastructure, though, is another matter and must be a top priority. If we allow the shutting down and tearing down of our auto plants, we will sorely wish we still had them when we realize that those factories could have built the alternative energy systems we now desperately need. And when we realize that the best way to transport ourselves is on light rail and bullet trains and cleaner buses, how will we do this if we've allowed our industrial capacity and its skilled workforce to disappear?

Thus, as GM is "reorganized" by the federal government and the bankruptcy court, here is the plan I am asking President Obama to implement for the good of the workers, the GM communities, and the nation as a whole. Twenty years ago when I made "Roger & Me," I tried to warn people about what was ahead for General Motors. Had the power structure and the punditocracy listened, maybe much of this could have been avoided. Based on my track record, I request an honest and sincere consideration of the following suggestions:

1. Just as President Roosevelt did after the attack on Pearl Harbor, the President must tell the nation that we are at war and we must immediately convert our auto factories to factories that build mass transit vehicles and alternative energy devices. Within months in Flint in 1942, GM halted all car production and immediately used the assembly lines to build planes, tanks and machine guns. The conversion took no time at all. Everyone pitched in. The fascists were defeated.

We are now in a different kind of war -- a war that we have conducted against the ecosystem and has been conducted by our very own corporate leaders. This current war has two fronts. One is headquartered in Detroit. The products built in the factories of GM, Ford and Chrysler are some of the greatest weapons of mass destruction responsible for global warming and the melting of our polar icecaps. The things we call "cars" may have been fun to drive, but they are like a million daggers into the heart of Mother Nature. To continue to build them would only lead to the ruin of our species and much of the planet.

The other front in this war is being waged by the oil companies against you and me. They are committed to fleecing us whenever they can, and they have been reckless stewards of the finite amount of oil that is located under the surface of the earth. They know they are sucking it bone dry. And like the lumber tycoons of the early 20th century who didn't give a damn about future generations as they tore down every forest they could get their hands on, these oil barons are not telling the public what they know to be true -- that there are only a few more decades of useable oil on this planet. And as the end days of oil approach us, get ready for some very desperate people willing to kill and be killed just to get their hands on a gallon can of gasoline.

President Obama, now that he has taken control of GM, needs to convert the factories to new and needed uses immediately.

2. Don't put another $30 billion into the coffers of GM to build cars. Instead, use that money to keep the current workforce -- and most of those who have been laid off -- employed so that they can build the new modes of 21st century transportation. Let them start the conversion work now.

3. Announce that we will have bullet trains criss-crossing this country in the next five years. Japan is celebrating the 45th anniversary of its first bullet train this year. Now they have dozens of them. Average speed: 165 mph. Average time a train is late: under 30 seconds. They have had these high speed trains for nearly five decades -- and we don't even have one! The fact that the technology already exists for us to go from New York to L.A. in 17 hours by train, and that we haven't used it, is criminal. Let's hire the unemployed to build the new high speed lines all over the country. Chicago to Detroit in less than two hours. Miami to DC in under 7 hours. Denver to Dallas in five and a half. This can be done and done now.

4. Initiate a program to put light rail mass transit lines in all our large and medium-sized cities. Build those trains in the GM factories. And hire local people everywhere to install and run this system.

5. For people in rural areas not served by the train lines, have the GM plants produce energy efficient clean buses.

6. For the time being, have some factories build hybrid or all-electric cars (and batteries). It will take a few years for people to get used to the new ways to transport ourselves, so if we're going to have automobiles, let's have kinder, gentler ones. We can be building these next month (do not believe anyone who tells you it will take years to retool the factories -- that simply isn't true).

7. Transform some of the empty GM factories to facilities that build windmills, solar panels and other means of alternate forms of energy. We need tens of millions of solar panels right now. And there is an eager and skilled workforce who can build them.

8. Provide tax incentives for those who travel by hybrid car or bus or train. Also, credits for those who convert their home to alternative energy.

9. To help pay for this, impose a two-dollar tax on every gallon of gasoline. This will get people to switch to more energy saving cars or to use the new rail lines and rail cars the former autoworkers have built for them.

Well, that's a start. Please, please, please don't save GM so that a smaller version of it will simply do nothing more than build Chevys or Cadillacs. This is not a long-term solution. Don't throw bad money into a company whose tailpipe is malfunctioning, causing a strange odor to fill the car.

100 years ago this year, the founders of General Motors convinced the world to give up their horses and saddles and buggy whips to try a new form of transportation. Now it is time for us to say goodbye to the internal combustion engine. It seemed to serve us well for so long. We enjoyed the car hops at the A&W. We made out in the front -- and the back -- seat. We watched movies on large outdoor screens, went to the races at NASCAR tracks across the country, and saw the Pacific Ocean for the first time through the window down Hwy. 1. And now it's over. It's a new day and a new century. The President -- and the UAW -- must seize this moment and create a big batch of lemonade from this very sour and sad lemon.

Yesterday, the last surviving person from the Titanic disaster passed away. She escaped certain death that night and went on to live another 97 years.

So can we survive our own Titanic in all the Flint Michigans of this country. 60% of GM is ours. I think we can do a better job. »

Michael Moore

A Fita Branca, de Michael Haneke

Eis o filme que ganhou a Palma de Ouro deste ano em Cannes. A acção desenrola-se no Norte da Alemanha entre 1913 e 1914. A fotografia é belíssima. O preto e branco pelas mãos do mestre Michael Haneke.

Não deixe que o Parlamento Europeu lhe feche a Internet (2)

Após o post, a petição, e e-mails enviados a todos os deputados portugueses, a única eurodeputad@ que me respondeu foi a Ilda Figueiredo, da CDU.

Fica o registo.

Felizmente a petição não passou desta vez!

Em relação à questão que coloca, junto enviamos para seu conhecimento, a Declaração de voto de Ilda Figueiredo, deputada do PCP e candidata da CDU ao PE, feita no dia 5 de Maio, no Parlamento Europeu, relativa à autorização de redes e serviços de comunicações electrónicas.

Esperando contribuir para o esclarecimento sobre a posição do PCP nesta questão, enviamos os nossos melhores cumprimentos.

O Gabinete Técnico

do Secretariado do Comité Central do PCP

Declaração de voto de Ilda Figueiredo

Relatório Trautmann - relativa à autorização de redes e serviços de comunicações electrónicas



«Milhões de europeus dependem da internet quer seja directa ou indirectamente no seu estilo de vida. Limitá-la, restringi-la ou condicioná-la, teria um impacto directo negativo no dia-a-dia das populações e de grande parte das Micro e PME que dependem directamente deste recurso para exercer a sua actividade.

Assim, foi importante que tivesse sido aprovada, com o nosso voto favorável, a proposta do nosso Grupo que permite manter a liberdade de trocas entre utilizadores não controladas ou promovidas pelo intermediário.

No entanto, parece que o Conselho não se mostra disponível para aceitar esta emenda da maioria do Parlamento Europeu que contraria o acordo de limitação negociado nas negociações com o Conselho. Mas é uma pequena vitória, dado que impediu a aprovação de uma má proposta.

Estão de parabéns todos os que defendem a liberdade de circulação na internet e o software livre. É uma luta que vamos continuar no sentido de garantir a protecção dos direitos dos cidadãos e assegurar o acesso, sem restrições dos utilizadores finais, aos serviços.»

Ilda Figueiredo

sexta-feira, maio 29, 2009

Coreia do Norte, Rumores de Guerra

A Coreia do Sul e os Estados Unidos elevaram o nível de alerta militar, nesta quinta-feira, depois da Coreia do Norte ter suspendido o armistício acordado em 1953 entre as duas Coreias. informou o ministério sul-coreano da Defesa.

O ministério da Defesa sul-coreano revelou às 7:15 desta quinta-feira que «o comando das forças conjuntas dos Estados Unidos e Coreia do Sul aumentaram o alerta para o nível dois».

«A vigilância será reforçada na Coreia do Norte com aviões e com a mobilização de recursos humanos», afirmou o porta-voz do ministério, Won Tae-Jae.

Estas declarações surgem na sequência da adesão de Seul ao Programa de Segurança contra a Proliferação de armas de destruição em massa. Como consequência o regime comunista do norte comunicou a suspensão do armistício de 1953, que encerrou a guerra da Coreia, e ameaçou com uma resposta militar.

A Coreia do Norte ameaçou com uma possível resposta militar contra a Coreia do Sul e assinalou que já não se vê vinculada ao armistício assinado por ambas as nações ao fim da guerra em 1953, segundo informou a agência norte-coreana «KNCA», citada pela EFE.

O regime comunista reagiu desta forma à decisão do governo de Seul de participar plenamente na iniciativa americana contra o tráfico de armas de destruição em massa, o chamado PSI, e assegurou que a península coreana «voltará a um estado de guerra».

Um porta-voz do exército norte-coreano disse que a plena participação sul-coreana no PSI será considerada como «uma declaração de guerra» contra a Coreia do Norte, acrescentando que responderá com um ataque militar imediato e potente a qualquer acto hostil.

Pyongyang acrescentou que considerará as inspecções e vigilância dos seus navios em missão pacífica como «uma violação intolerável contra sua soberania» que será respondida com um ataque militar.

Nos últimos dias tem-se sucedido as provocações, por parte do regime de Pyongyang, um teste nuclear subterrâneo, lançamentos de mísseis de curto e médio alcance e demonstrações de força ao longo da fronteira.

Tenho a impressão que estamos à beira duma guerra de consequências imprevisíveis, para a região e para o mundo, basta que um louco se lembre de carregar num botão ou dê uma ordem disparatada.

quinta-feira, maio 28, 2009

Oração de uma criancinha

«Querido Deus, este ano por favor envia roupas para todas aquelas pobres senhoras no computador do pai... Ámen"!!!»

Não resisti, esta está demais, enviada pelo Amigo Fernando Cardoso.

terça-feira, maio 26, 2009

«Arena», João Salaviza

Chegou a Cannes com 25 anos e duas curtas metragens no bolso. Recebeu a Palma de Ouro da Curta Metragem. Cannes gostou como o Indie Lisboa, que o premiou, 15 minutos sobre o quotidiano de um jovem em prisão domiciliária num bairro social de Lisboa.

«Eu sabia que queria fazer filmes. Agora sei que há outros que querem que eu faça filmes.»

No topo do mundo, sim. « Mas a relativizar.», João Salaviza dixit.

Da Weasel, Revolução

LL62 – Arroz Geneticamente Modificado Brevemente

Brevemente nos supermercados, enquanto isso o arroz natural desaparecerá das montras...

O LL62 é fabricado pela Bayer, o Gigante alemão da indústria química!

Dentro de poucas semanas o Parlamento Europeu votará se o arroz geneticamente modificado entrará ou não nos nossos pratos.

Assine a petição da Greenpeace!

Pandemia H1N1

Recomenda-se a visita a Pandemia h1n1 em:

segunda-feira, maio 25, 2009

Resident Evil - Extinction, Russell Mulcahy

Simplesmente inquietante, qualquer filme desta trilogia…
Será ficção científica?
Ou será que a realidade poderá ser mais cruel que o filme, um verdadeiro dilema…

Eu sou a Lenda, Francis Lawrence

«Sou um sobrevivente que mora em Nova Iorque. Se estiver alguém por aí... seja quem for. Por favor. Não estão sozinhos.»

Um terrível vírus incurável, criado pelo homem, dizimou a população de Nova York. Robert Neville é um cientista brilhante que, sem saber como, tornou-se imune ao vírus. Há 3 anos ele percorre a cidade enviando mensagens de rádio, na esperança de encontrar algum sobrevivente. Robert é sempre acompanhado por vítimas mutantes do vírus, que aguardam o momento certo para atacá-lo. Paralelamente ele realiza testes com seu próprio sangue, buscando encontrar um meio de reverter os efeitos do vírus.

sábado, maio 23, 2009

Na Senda do Caminho de Ferro

Postal retirado do blogue Portugal em Postais Antigos, que também vos convido a descobrir em:

Há uns meses atrás, um entusiasta por comboios, o Rui Ribeiro, autor dos sites: Ideias em R.ti e na Na Senda do Caminho de Ferro, enviou-me dois filmes curiosos, sobre «Os Comboios em São Tomé e Príncipe», visionei os filmes e acreditem o Rui está a fazer um excelente trabalho, pois está a contar histórias, que se julgavam perdidas para sempre.

Nunca imaginei que São Tomé e Príncipe tivesse tido em tempos comboios e grande parte do seu território atravessado por linhas de caminhos de ferro, que poderiam ser reactivadas hoje e ser uma mais valia para o território e para a população com as necessárias adaptações ao mundo actual.

Para além disso, o Rui atravessou Portugal, de Norte a Sul visitando apeadeiros, estações, ramais e linhas de caminhos de ferro, inclusive algumas que já fecharam.

É todo um mundo consagrado aos comboios, passando também pelos eléctricos.

Embora fazendo isto de forma amadora, o Rui está a prestar um serviço público, com estes mini-filmes, que se tornam quadros vivos dum país e dum certo interior, que esperamos se mantenha vivo.

Os filmes do Rui Ribeiro disponíveis em:

quinta-feira, maio 21, 2009

2012, Roland Emmerich

O que levou Roland Emmerich a fazer este filme?

As antigas profecias egípcias, chinesas, maias, astecas, incas, romanas, gregas e hopi, confirmadas posteriormente por Michel de Notredamme.

Ou os mais de 240 milhões de cliques em 2012, no Google?

Mas que tipo de desastre natural destruirá a Terra em 21 de Dezembro de 2012?

Super vulcões?

Um gigantesco Tsunami?

A mudança de pólo magnético terrestre?

A instabilidade da crusta terrestre?

Uma tempestade solar?

O planeta X, que nos visita de 13.000 em 13.000 anos?

O alinhamento galáctico?

Um buraco negro localizado no centro da galáxia?

Ou todos estes factores juntos?

Como poderão os governantes do nosso mundo preparar 7 biliões de seres humanos para a morte?

Eles não sabem como...

Descubra a verdade em 2012!

A 13 de Novembro estará o Planeta X visível?

Mais em:

Roland Emmerich, o Visionário

Este realizador alemão nascido em Estugarda tem uma predilecção especial por filmes catástrofe e por filmes de ficção científica, já destruiu a Terra várias vezes...

Recordo-o desde «Moon 44», velho filme de 1990 distribuído pela Filmitalus, para o mercado de vídeo, filme que falava sobre a corrupção entre companhias rivais que se degladiavam entre si sobre os direitos de exploração de minério no espaço sideral.

No ano de 2038, após a Terra ter perdido seus recursos naturais, planetas e satélites precisam ser explorados.

O único combustível que abastece a Terra, de um valor inestimável, é extraído de minas de componentes químicos instaladas em diversos lugares do cosmos.

Empresas multinacionais controlam o negócio e estão em guerra constante pelo controle das minas, onde robots de última geração fazem o trabalho de prospecção.

Emmerich em 1992 roda «Soldado Universal», com Van Damme e Dolph Lungreen, em mais uma parafernália high tech de FC, em que os corpos dos soldados americanos mortos em combate são perseverados criogenicamente, sendo ressuscitados mais tarde num Laboratório secreto no Deserto do Nevada.

Dois anos depois, «Stargate» faz as delicias dos melómanos, filme onde se cruzam a ficção científica, a História, a Arqueologia e a Mitologia Egípcia, viagens entre portais no espaço tempo, entre diferentes locais do Universo (buracos de verme). Este filme inspirou ainda várias séries de televisão.

Em 1996, os Extraterrestres invadem a Terra, precisamente no dia 4 de Julho e quase a destroem no «Dia da Independência», especialmente gostei do filme até ao intervalo, depois da destruição da Casa Branca e de Nova Iorque.

Da Polinésia Francesa, vem em 1998 «Godzila», réptil colossal vítima dos testes nucleares franceses, que vai destruir tudo aquilo que lhe aparece pelo caminho em Nova Iorque. Godzila é um remake dum velho filme de 1954 e figura de proa da manga japonesa.

Em 2004 «O Dia depois do Amanhã», desta vez são as alterações climáticas, que modificaram a Terra que estão em causa, para lá dos efeitos especiais muitas questões interessantes são levantadas neste filme.

Aquecimento ou arrefecimento global?

«10,000 A.C.» foi rodado em 2008, homens e criaturas pré históricos lutam pela sobrevivência na Terra, num planeta muito diferente do actual.

No filme há um vislumbre da Atlântida e da influência que esta antiga civilização desaparecida há mais de 13.000 anos terá eventualmente deixada no Antigo Egipto.

8.000 anos, porque não 10.000 anos?

Mas, desta vez, Roland Emmerich prepara-nos para nos surpreender de vez em «2012», filme a estrear em 13 de Novembro deste ano.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...